NASA diz que as lavouras brasileiras ocupam apenas 7,6% do território no país

A Agência Espacial Norte-Americana – NASA , esteve presente em um evento em Berlim, na Alemanha, e informou que o Brasil ocupa 63,9 milhões de hectares em lavuras, ou seja, apenas 7,6% de todo seu território utilizados para o plantio. Os dados serão apresentados pelo ministro da Agricultura, Blairo Borges Maggi.

O cálculo realizado pela Embrapa Territorial em 2016 era de uma área de produção agrícola de 7,8%, ou seja 65,9 milhões de hectares. Em novembro os números registrados tinham um percentual menor, de acordo com o chefe da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda. Miranda que também é doutor em Ecologia e diz que essa diferença de 0,2% dos dados brasileiros com os norte-americanos é normal.

O país protege e preserva sua vegetação nativa em mais de 66% de todo seu território, segundo estudo da NASA, sendo que apenas 7,6% das terras são cultivadas.

O trabalho realizado em conjunto com a NASA e o Serviço Geológico dos Estados Unidos, explica Evaristo, fez um levantamento amplo que possui mapeamento e cálculo de áreas cultivadas no planeta monitoradas por satélites. O planeta Terra foi vasculhado durante vinte anos, de maneira detalhada através de imagens com alta definição, por pesquisadores da Global Food Security Analysis, que confirmam as informações da Embrapa.

A área de cultivo de hectare por habitante é de 0,01, e em países como a Arábia Saudita, Peru, Japão, Coréia do Sul e Mauritânia, nos países como Canadá, Península Ibérica, Rússia e Austrália, o número é de 3 habitantes por hectare.

No Brasil, essa área cultivada por habitante é de 0,3 hectares, e em países como a África do Sul, Finlândia, Mongólia, Irã, Suécia, Chile, Laos, Níger, Chade e México esse cultivo por habitante é entre 0,26 a 0,50.

A segurança alimentar no planeta também é apontado no levantamento da NASA, com medição de tamanho e cultivo até onde eles não são contínuos. As áreas de floresta não entram nesse cálculo, como os locais destinados ao plantio de eucalipto, levando em consideração apenas as lavouras.

Os países utilizam de 20% a 30% de suas áreas para plantio e o Brasil apenas 7,6% com muita tecnologia e profissionalismo.